Agricultura Familiar E As Estratégias De Manejo Dos Antigos Castanhais No Pará
  
Share this book    
A ocupação da Amazônia no sudeste paraense teve seu ápice na década de 1970, com a abertura da Rodovia Transamazônica e o Projeto Grande Carajás, desencadeando um processo migratório induzido pelo governo como política de desenvolvimento para Amazônia. Isso não levou em conta todas as particularidades dos principais atores do meio: o homem migrante e o homem morador. Esta ocupação foi movida por vários ciclos econômicos, tendo como um dos mais importantes o ciclo da castanha. Os antigos castanhais extrativistas foram aos poucos sendo substituídos por uma exploração ilimitada e inconsequente. O Sudeste do Pará é uma fronteira agrícola complexa, porque o extrativismo predatório é predominante e com várias frentes de exploração. Formando uma teia e dinâmica onde tudo acontece ao mesmo tempo de forma rápida, com alta volatilidade. E, ainda, sendo palco de disputa de projetos políticos distintos: o agronegócio e a agricultura familiar, duas forças que se repelem e se enfrentam constantemente na disputa de espaço –Terra. Espaço também ocupado por indígenas, posseiros, madeireiros, mineradora, fazendeiros e especuladores. Esta obra tem o intuito de analisar agricultura familiar nesta região, descrevendo as estratégias produtivas dos agricultores familiares do Projeto de Assentamento Castanhal Araras. Apresenta uma breve história sobre a ocupação sobre a Amazônia, a exploração degradante dos antigos castanhais. e as atuais estratégias de manejo da agricultura familiar.
Show more